sexta-feira, 3 de junho de 2011

Libertos da lei e dos seus rudimentos




Aquele que vos dá o Espírito, e que opera milagre entre vós, faze-os pelas obras da lei ou pela pregação da fé? Gl 3:5. Amados, veja o que Paulo diz a respeito das obras da lei. Todos os que são das obras da lei estão debaixo de maldição, pois, esta escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei para as cumprir Gl 3:10. Nestes textos aprendemos que a lei nos coloca debaixo de maldição de modo que pela lei não alcançamos a justificação e todo aquele que quer viver da lei está obrigado a guardar toda a lei. É evidente que pela lei ninguém será justificado. Gl 3:11. Jesus Cristo nos isenta da lei, pois Ele nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós. Gl 3:13. Ver também Gl4:4,5.
Faremos agora um breve estudo sobre a lei para que possamos ter base bíblica e entender o significado da lei e o porque do seu rigor Dt 17:2-7.
Quando o homem decidiu pela desobediência assumir os riscos do pecado, acabou selando o seu destino por escolha própria.
Como conseqüência, afastou-se do seu criador; ele sabia dos riscos, desde o início pois foi informado pelo próprio Deus as conseqüências do ato de desobedecer Gn 2:17.
Não existem justificativas, pois ele tinha escolha e poderia ter dito não, e a serpente, não o poderia obrigar, e também poderia, ter resistido aos apelos de sua mulher Gn 3:6. Agora pela escolha do pecado, caiu em desgraça e escondeu-se de Deus Gn 3:8. Teria de viver, então, a mercê de sua própria sorte! Gn 3:17-23.
Sabemos nós que Deus é um Deus santo que abomina o pecado, mais ama o pecador. Mas, o pecado traz como conseqüência, a ira de Deus sobre os homens, e conseqüêntimente a morte, Rm 6:23; Gl 6:8, aprouve a Deus trazer, o rigor da lei para que o homem não se afastasse totalmente do seu propósito. Pois agora pelo rigor e ordenança da LEI iria ter que viver.
Por conseguinte, a lei era muito pesada para viver, e se justificar por ela. Então, vemos novamente o amor do Pai, que o manifestando por meio da graça, tornou possível nossa reconciliação, por Jesus Cristo, para que não nos fosse imputados os nossos pecados 2 Co 5:18,19. Esta é a graça de Cristo, que nos torna reconciliados perante Deus, por Ele 2 Co 5:17. Glória Deus. Aleluia!
A liberdade que agora temos é por meio do sacrifício de Cristo!
Estais, pois, firmes e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da escravidão. Gl 5:1.
Escutai! Eu Paulo, vos digo que, se vos deixar circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará.
De novo testifico a todo homem que se deixa circuncidar, que esta obrigado a guardar toda a lei Gl 5:2,3.
Separados estais de Cristo 5:4.33.
Amados irmãos e irmãs. O que quero compartilhar com a igreja do Senhor Jesus é que existe um perigo que poucos são os que conseguem enxergá-lo. E muito interesse há para que não seja esclarecido. “Paulo nos adverte para não andar mais na vaidade de nossos pensamentos”. Entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração.
Tendo-se tornado insensíveis, entregaram-se a dissolução para cometerem toda sorte de impureza. Ef 4:17-19.
Assim como no passado nos dias anteriores da reforma (sec XVI), que culminou nas 95 teses de Martinho Lutero. Infelizmente, nestes dias de fim, este novo sistema denominacional, tem sido implantado no meio do povo com ritos e praticas que não tendo nenhum respaldo bíblico tem sido aceito. O que tem gerado um grande número de religiosos protestantes e analfabetos biblicamente. Só à um que deseja que o povo viva na ignorância da Palavra de Deus, e que conheça apenas versículos isolados da bíblia. O diabo. Esta é uma estratégia do arque inimigo de nossas almas, para nos manter na mediocridade de um evangelho inaltêntico e deturpado. Levando, a igreja, a inoperabilidade, e nos afastando, do evangelho da graça.
Assim como nos tempos de Lutero com as indulgencias oferecidas pelo papa para perdão e salvação das almas perdidas, semelhantemente temos visto coisas terríveis, como estas, que tem levado a igreja, a decadência moral, e espiritual, afastando-a assim, de Cristo e seus propósitos.
Irmãos, não sejais meninos no entendimento; na malícia, contudo, sede criancinhas, mas adultos no entendimento.1 Co 14:
A paz de Cristo!

Por: Mauricio dos Santos
(vosso irmão pelos laços do calvário)